As máscaras estão caindo

Há alguns dias aderimos a um novo acessório, obrigatório para alguns lugares, optativos em outros, necessário para todos. Estamos nos adaptando a essa nova mercadoria e mercado, empresas já fizeram negócios através das máscaras(literalmente). Estamos aprendendo a nos conectar, comunicar e até mesmo, nos esforçando para reconhecer o que, até então, nos era conhecido, inclusive os rostos. Passamos por conhecidos e não conseguimos ter certeza se a pessoa que estamos pensando é, de fato, aquela à nossa frente, já que a máscara altera nossa percepção. O que isso significa? Para muitos apenas estão “trocando de máscaras”, outros estão caindo máscaras e, uma parte ainda se esconde atrás das máscaras.
Quando falo de máscara me refiro não a este objeto que você está obrigado a comprar devido à situação em que vivemos, falo das máscaras invisíveis que usamos para nos proteger, disfarçar, coagir, amedrontar e tantas outras utilidades.

Você já parou para pensar em qual grupo se encontra? Nos que estão trocando, caindo ou se escondendo? Entenda máscaras como características que nos identificam – isso serve para pessoas e culturas. Então, existe a máscara do líder perfeito, bonzinho, paizão, cruel, chato, existem os colaboradores produtivas, engraçados, malas, inconvenientes, extrovertidos e existem as empresas corajosas, disruptivas, tradicionais e as que vendem uma imagem do que não são.

Neste momento, muitos de nós estamos convocados a alterar esse mecanismo, por exemplo, de introvertido, passamos a ter de encarar a exposição das redes sociais, a de conformados pela de apaixonados pela mudança. E, quando falo das máscaras perdidas, me refiro às da vulnerabilidade, que expôs que grandes líderes e negócios erram e são imperfeitos, possuem medos e também tomam decisões erradas e que bom, assim paramos de romantizar o sucesso. E sobre as máscaras que estão caindo, me refiro à culturas frágeis que perderam o “propósito” na primeira grande crise em que passaram ou daquelas que os puffs e ambiente despojados não foram suficientes para manter o desejado engajamento.

O momento é de reinvenção…das máscaras também e, para isso, comece pensando em quais você tem usado nos últimos tempos? Eu sei, você vai dizer bem seguro de si: “Eu não uso máscaras, sou uma pessoa íntegra e transparente”, ok, então você já me disse sobre duas de suas atuais máscaras. Não entenda máscara como “forçação” de barra, tentando ser o que você não é, e a entenda como mecanismos que usamos e, às vezes, usamos tão fortemente que nos conferem rótulos. Logo, se estais com dúvidas, pergunte aos seus mais próximos, e tenho certeza, máscaras irão surgir. Neste momento tão propício, fica o convite, a sua máscara atual representa de fato quem é você?
Pense nisso!

Voltar

Acredite: você não sabe o que é Coaching!

05 / 11 / 2018

O processo de Coaching invadiu fortemente não apenas o mundo das organizações, mas a vida das pessoas de uma maneira geral.

Saiba mais

A expectativa gera a experiência!

09 / 04 / 2020

Mais do que nunca, estamos sendo convidados a repensar a forma como lidamos com tudo, não apenas nos negócios, mas também com nossas emoções, sensações e expectativas. E claro, com nossos clientes e colaboradores, não poderá ser diferente.

Saiba mais