O que muda em 2021?

Estamos há poucas horas do encerramento de 2020, mais um ciclo se finda e a pergunta é: o que muda?

Será que ainda temos a esperança de dormir em um ano caótico e cheio de incertezas e acordar no início de uma nova década acreditando que tudo será diferente sem mudarmos? Desculpem, de longe quero ser pessimista, sou defensora do otimismo aprendido e consciente, porém, não podemos romantizar tanto as coisas.

Todos os anos repetimos rituais, cada um com sues credos e crenças, fazemos promessas, pensamos nas mudanças e pronto, dormimos! E agora? Isso mesmo, você acorda no outro dia e percebe que tudo está exatamente igual. Não é um rito, um momento, uma intenção que vai construir um ano “novo” e sim, seu jeito de agir.

Então, pare de acreditar nas 365 oportunidades novas que irão surgir, porque de certa forma, isso gera projeção no amanhã e ajuda você e eu a acreditarmos que “tudo bem, hoje não deu…mas amanhã….” foque no hoje, no presente, na presença, nas percepções de cada dia. É assim que faremos um ano diferente, o resto é ilusão.

Sabemos que 2020 foi, de fato, um ano diferente, nada de “novo normal”, muitas coisas não foram novas, apenas incorporadas com mais força em nossas rotinas, e de normal, muito menos somos seres sociais, de contato e ter contato apenas por telas nunca foi e nunca será o nosso normal. As máscaras talvez tenham sido para alguns, natural. Muitos já as usavam, só não tinham tecidos.

Do ano que está findando ficam algumas lições, investir em saúde emocional é prioridade, somos vulneráveis, só damos plena atenção aos recursos quando se tornam escassos, somos mais resilientes do que imaginamos, aprendemos a declarar mais nossas emoções, sentimos falta de um simples abraço e nos questionamos, por que não fazemos mais?

Perdemos pessoas, muitas! Sentimos dor, medo, angústia e raiva. Aprendemos a agradecer mais. Reconhecemos o valor das escolas, professores e percebemos o quanto muitos de nós não estavam preparados para lidar com o próprio filho. Ajudamos estranhos, torcemos pela vida e saúde de quem nem conhecíamos.

Então, 2020 teve também muitas coisas boas, generosidade, empatia, resiliência, atenção plena foram algumas competências que fomos convocados a treinar ou aprender.

E meus caros, eu acredito que este estágio que nos preparou para entramos no próximo ano, diferentes. E não importa o número do dia ou do ano, importa o que estamos dispostos a fazer a cada dia depois que abrirmos nossos olhos.

Olhe para 2021 com perspectiva positiva, mas com consciência de atitude para tal. Reconheça, valorize e direcione seus talentos para fazer algo novo, para ser alguém novo.

Sinto muito em talvez até lhe frustrar, caro leitor, mas uma coisa é certa, se você não fizer algo diferente para o próximo ciclo nada será diferente do atual, não se iluda, mude!
E isso é a única coisa que você controla, neste e nos próximos anos.

Pense nisso.

Voltar

A coragem de ser imperfeito.

29 / 01 / 2019

Na vida não temos certeza de absolutamente nada, vivemos em um mar de incertezas. Mas quem disse que viver incertezas precisa ser algo negativo?

Saiba mais

A falácia da Comunicação Corporativa.

02 / 10 / 2020

Quanto mais atendo empresas – que são feitas de pessoas – mais eu me convenço sobre o quanto não sabemos nos comunicar.
Existem falácias vinculadas à comunicação, a primeira é que ela é considerada uma soft skill, e se fosse “soft”, não causaria tantos estragos, pois seria simples aprender e implementá-la de forma efetiva

Saiba mais