O simples também gera resultado.

Vivemos a época das informações, conteúdo, dados, conhecimento acessível em um único clique. Como tudo, há um lado bom e outro nem tanto. O lado bom deste momento é, de fato, o acesso ao conhecimento, que é uma das formas de desenvolvermos autonomia nas pessoas e nos times organizacionais. O lado ruim é a infinidade de possibilidades, metodologias, técnicas e ferramentas que nos deixam na dúvida, qual a melhor? Essa é sempre uma dúvida que escuto de líderes por exemplo. Durante minha trajetória em treinamentos e palestras quando levanto a expectativa das pessoas sobre o tema que iremos abordar uma condição sine qua non de resposta é: quero aprender mais técnicas…e minha dúvida sempre é a mesma, “mas será que usa com assertividade as que já conhece?” Eis a questão!

Essa busca inconstante por novas técnicas faz com que pulemos algumas etapas, e arrisco dizer que é a principal: esgotar a possibilidade de uso do conhecimento sobre o que você já possui. Não adianta buscar novos métodos se a mentalidade é a mesma.

Não adianta se tornar um caçador de ferramentas se você não se torna especialista em nenhuma. Exemplo clássico dentro das organizações, o feedback. Muitos líderes, não fazem, alguns porque não sabem, outros pelo fato de usarem poucas vezes e não terem grandes resultados e com isso, a vontade de pular logo para o próximo game é mais intensa do que a vontade de se aprofundar no jogo.

O simples funciona e da resultado, é fato! Carinho de mãe, conversa com amigos, conselho no trabalho, comida de vó, são coisas simples e que trazem benefícios e assim também é no corporativo. Uma conversa transparente, uma reunião alinhada, um feedback consistente, um parabéns, um reconhecimento, um abraço, são também exemplos de movimentos simples mas que não são simplórios.

É fato que todos temos necessidades, expectativas e desejos. Abraham Maslow (1908-1970), um Psicólogo norte-americano, conhecido pela teoria da Hierarquia das Necessidades Humanas ou a Pirâmide de Maslow. Ele ensina que são cinco os níveis de necessidades: fisiológicas, de segurança, sociais, de estima e autorrealização. Ou seja, todos temos a necessidade – simples, de comer, dormir, estarmos seguros, fazermos amigos, sermos reconhecidos, resolver problemas e para isso, existem inúmeros caminhos e possibilidades. O meu convite para você é, escolha o simples! A vida por si só é complexa, facilite sua jornada, simplifique.

Voltar

Os escravos atuais

30 / 07 / 2020

Estudamos sobre a história da escravidão e compreendemos que ela representa uma prática social na qual um ser humano assume direitos de propriedade sobre outro designado por escravo, obviamente sob imposição de força. As pessoas eram comercializadas, ou seja, tidas como produtos.No Brasil, no dia 13 de maio de 1888, a escravidão foi abolida oficialmente […]

Saiba mais

Investir em você: responsabilidade sua ou da empresa?

12 / 11 / 2018

Para a reflexão de hoje,  segue a perfeita citação de Benjamin Franklin já dizia: “Investir em si mesmo rende sempre os melhores juros.”

Saiba mais